terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

CBO do Musicoterapeuta

CBO


Código Brasileiro de Ocupação
2239 :: Terapeutas ocupacionais e afins
Título: MUSICOTERAPEUTA Código 2239-15
Descrição
Atendem pacientes e clientes para prevenção, habilitação e reabilitação de pessoas utilizando procedimentos específicos de terapia ocupacional, ortoptia e musicoterapia. Habilitam pacientes e clientes; realizam diagnósticos específicos; analisam condições dos pacientes e clientes. Atuam na orientação de pacientes, clientes, familiares, cuidadores e responsáveis. Desenvolvem, ainda, programas de prevenção, promoção de saúde e qualidade de vida.
Formação e Experiência
Para o exercício dessas ocupações é exigido curso superior em uma das áreas: terapia ocupacional, ortóptica e musicoterapia, com registros nos conselhos profissionais pertinentes. No caso específico da musicoterapia, podem atuar profissionais de outras áreas com especialização em musicoterapia

Fonte: http://www.apemesp.com/
 
SÍMBOLO NACIONAL DA MUSICOTERAPIA, escolhido por votação nacional em 2012.
.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Música é Bênção




TOCAR UM INSTRUMENTO, CANTAR, OUVIR DISCOS QUERIDOS OU LEMBRAR COMO FOI BOM AQUELE SHOW SEMPRE EMOCIONA E RELAXA. SABE POR QUÊ? CERTOS ACORDES SÃO SÓ SEUS.




O que havia no princípio não era o verbo. Era o som. O homem está sujeito a diferentes formas de vibração desde os mais tenros momentos de suas primeiras e solitárias células. E som é vibração. É por isso que a música emociona a todos. Biologicamente falando, o som ressoa diretamente no ser. "Alguém que dedique algumas horas por semana a ouvir música obterá um efeito positivo em sua vida", afirma a musicoterapeuta Sabrina de Souza Macedo. "E, quando digo isso, me refiro a fechar os olhos e realmente parar para ouvir música." O que pode trazer de benefício? Um efeito é a catarse, liberação de energias até então sobrecarregadas por um estilo de vida estressante.Então, faça a música despertar seus ouvidos. Jogue-se num tapete, toque um instrumento, solte a voz ou simplesmente escute suas canções prediletas - pode ser a dos velhos discos de vinil, dos CDs, do MP3, não importa. Também vá a shows de seus artistas do peito, pois nada substitui essa experiência. Na casa e na vida, deixe-se levar pela musicalidade. O corpo e a mente agradecem.




Texto: Guilherme Conte


Fonte: Revista Casa e Jardim, edição de Junho de 2008.

 

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Musicoterapia e Educação Especial




A música vem sendo utilizada como cura desde os primórdios da humanidade, mas se estabeleceu como ciência somente após a Segunda Guerra Mundial. A Musicoterapia tem inúmeras aplicações, entre elas síndromes genéticas como Down, Turner e Rett, distúrbios neurológicos, distúrbios emocionais, deficiências sensoriais, visuais e auditivas, autismo, entre outras.

Principais metas da Musicoterapia na educação especial:

l Estimular a comunicação (verbal e não verbal);
l Estimular a expressão corporal, vocal e sonora (através de instrumentos musicais, dança e canto);
l Melhorar a auto-estima;
l Explorar as potencialidades e a conscientização dos próprios limites;
l Estimular a coordenação motora grossa e fina através de atividades musicais, utilizando instrumentos musicais de percussão simples;
l Melhora da orientação espacial e corporal através de vivências musicais;
l Expandir a capacidade de atenção e concentração;
l Estimular a imaginação e criatividade;
l Exercitar a memória;
l Promover um melhor relacionamento intra e interpessoal;
l Atenuar a carência afetiva através de vivências grupais;

Os objetivos gerais podem variar de acordo com as características do grupo ou indivíduo, suas necessidades e peculiaridades.
No autismo, por exemplo, a Musicoterapia atuará no desenvolvimento e estabelecimento de canais de comunicação através da música e do som, se estendendo posteriormente para a comunicação verbal. Com indivíduos portadores de déficits de aprendizagem ou atraso mental, o principal objetivo será focar a cognição e aprendizagem. Em crianças com paralisia cerebral e síndromes que envolvam déficits motores, a Musicoterapia enfocará também o uso de ritmos e instrumentos musicais, agindo tanto como estímulo à comunicação e cognição como na melhora da motricidade.
Na deficiência visual, a música age como excelente forma de expressão e estimulação, auxiliando a localização espacial, a cognição e raciocínio e permitindo a expressão de conteúdos internos de uma forma não verbal. Já na deficiência auditiva, a Musicoterapia trabalha com o tato utilizando vibrações sonoras e instrumentos musicais como material estimulador.
Independente das necessidades provenientes de cada patologia citada acima, a Musicoterapia valoriza a expressão de cada indivíduo, respeitando suas particularidades e auxiliando-o em suas dificuldades, como um ser global.
Os métodos e materiais utilizados serão: a voz, o corpo, instrumentos musicais de fácil manejo e execução, materiais lúdicos-educativos e, ocasionalmente, aparelho de som e CDs específicos.

A Musicoterapia trabalha com tratamentos individuais ou em grupo. Os tratamentos individuais possibilitam um melhor conhecimento do paciente, o estabelecimento de uma relação terapêutica mais personalizada e uma aplicação mais precisa às suas necessidades. São indicadas para alguns casos de autismo, psicoses e distúrbios graves de personalidade. Os tratamentos grupais possibilitam o aprofundamento do autoconhecimento do paciente, mudanças no afeto, cognição e comportamentos e estimula a sociabilização. Os grupos são formados de acordo com as deficiências, idade mental e cronológica, afinidade de gostos musicais e aspectos culturais (quando possível).


BIBLIOGRAFIA

BLASCO, S. P. – Compendio de Musicoterapia; Vol. I, Empresa Editorial Herder, S.A., Barcelona, 1999.

GASTON, E. T – Tratado de Musicoterapia, Ed. Paidos, Buenos Aires, 1968.

JOURDAIN, R. – Música, Cérebro e Êxtase: Como a música captura nossa imaginação, Ed. Objetiva, Rio de Janeiro, 1998.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Musicoterapia na Terceira Idade




O trabalho musicoterápico em geriatria deve ser, de certa forma, diferente do que deve-se desempenhar com outros pacientes, tendo por objetivo geral a alteração de seu comportamento e a ampliação de suas capacidades. O tratamento musicoterápico oferecerá ao idoso a oportunidade, num primeiro momento, de estimulação às suas atividades mnêmicas, atingindo, a partir delas, as demais funções cognitivas. O ato de tocar, cantar, improvisar, criar e partilhar experiências, entre outras atividades, propicia a elaboração de conteúdos mentais mais complexos a partir de sua produção sonoro-musical. O idoso é estimulado a retomar movimentos corporais, ao mesmo tempo em que vê resgatada a sua memória como um todo (Souza, 1997).
Além da cognição, a música pode proporcionar estímulos fisiológicos, influenciando o ritmo cardíaco e pressão sanguínea, facilitando a movimentação das extremidades superiores e inferiores do corpo, as fortalecendo (Blasco,1999). Também exerce grande influência sobre a auto-estima do paciente, trabalhando seus aspectos emocionais.



A Musicoterapia tem como função principal, no tratamento com a terceira idade,
restabelecer a auto-estima do idoso frente às suas potencialidades, ao meio que
o cerca e a que pertence. Ao restituir esta capacidade de crença em si mesmo, de
sua potência como sujeito, o idoso restabelece o crédito diante do social,
alterando para melhor o conceito que a sociedade tem dele e ele de si mesmo.
(Cerqueira de Souza, 2006).



No trabalho musicoterápico, é fundamental que o musicoterapeuta tenha um conhecimento aprofundado das músicas que fizeram e fazem parte do universo musical do paciente, a fim de criar um ambiente propício para o fluir da linguagem musical e de seus aspectos terapêuticos.

Principais Objetivos da Musicoterapia com Pacientes Geriátricos

- Reforçar ou reestabelecer o ritmo de marcha: Por diversas causas, o idoso pode apresentar dificuldade de locomoção e de equilíbrio, dificultando até mesmo a sua própria marcha. A utilização de músicas com o ritmo e a pulsação bem marcados auxiliará o paciente a reestabelecer-se quanto a esta necessidade.

- Estimulação da fala: Muitas vezes, em decorrência à doença, o paciente geriátrico tem seu processo de comunicação verbal afetado. Porém, estas dificuldades podem ou não se apresentar, ou se apresentar com menor intensidade, na utilização do canto. Estimulando o canto, podemos estimular a musculatura facial e as áreas cerebrais envolvidas, auxiliando o processo de reabilitação.

-Estimulação da memória: A memória geralmente apresenta debilitações na maioria dos idosos, seja pelo processo normal de envelhecimento ou pelo surgimento de uma demência. A música, porém, traz reminiscências do passado, e ajuda no resgate de lembranças.


-Estimulação da Cognição: O processo cognitivo se altera com o avanço da idade, se tornando mais lento. Aprender novas músicas, ou relembra-las, tocar instrumentos musicais e reforçar associações pode se tornar um meio excelente de estimular a cognição e estimular o raciocínio, ajudando até mesmo a prevenir ou retardar doenças associadas à demências.

-Força Muscular: Os idosos perdem massa e força muscular com o passar dos anos. Estimula-los com instrumentos musicais de percussão que exijam um maior trabalho muscular, ou trabalhar o corpo através da música (dança, alongamentos), pode ser de grande ajuda para a manutenção e desenvolvimento desses músculos.

-Motricidade: A motricidade fina é uma grande dificuldade encontrada pelos pacientes geriátricos. Através de instrumentos que utilizem baquetas, do teclado ou do piano, podemos obter meios excelentes de estimulação neste requisito.

-Depressão: A música é, na maioria das vezes, prazerosa, auxiliando o idoso
não só nos aspectos físicos como também em seus aspectos emocionais. A música propicia momentos prazerosos, onde o idoso tem a possibilidade de expressar as suas emoções e também lidar com seus sentimentos de perda, seus medos e tristezas.

-Solidão: Os idosos institucionalizados têm maior tendência a sentirem solidão e abandono. A música possibilita, através de seu potencial integrador, que os moradores dessas instituições se conheçam e compartilhem suas vivências e experiências, aprendendo a lidar e a apreciar a companhia de outros idosos, o que auxilia na formação de um círculos de amizade e convivência, além de ampliar os momentos de satisfação proporcionados pela vivência grupal.


Referências Bibliográficas:

BLASCO, S.P.- Compendio de Musicoterapia, Edições Herder, Barcelona, 1999.

BRIGHT, R. – La Musicoterapia en el tratamento geriátrico: Una nueva visión, Ed. Bonum, Australia, 1991.

GASTON, E. T – Tratado de Musicoterapia, Ed. Paidos, Buenos Aires, 1968.

JOURDAIN, R. – Música, Cérebro e Êxtase: Como a música captura nossa imaginação, Ed. Objetiva, Rio de Janeiro, 1998.











Por: Irina Kokado/ Sabrina S. Macedo em 11/08/2008.

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Música e Saúde




A música em si possui muitas propriedades terapêuticas. Não é por acaso que já durante a Segunda Guerra Mundial começou-se a pesquisar os benefícios que a música poderia trazer ao homem. Os soldados feridos durante a guerra, ao escutarem música, se recuperavam mais rápido do que os que não eram submetidos a essa audição. Desde então, abriu-se um imenso leque de pesquisas sobre a relação da música com homem e seus efeitos terapêuticos, dando origem à Musicoterapia.
Geralmente, somos sensíveis a reações causadas pela audição de uma música ou de um som. É comum nos flagrarmos testemunhando que determinada música nos traz bem-estar, disposição ou então que mobiliza emoções. Como já dito anteriormente, a música por si só possui muitas propriedades terapêuticas, propriedades estas que podem ser potencializadas no tratamento musicoterapêutico.
A Musicoterapia pode ser realizada através de atendimentos individuais ou grupais, e visa restabelecer a integridade física e psíquica do cliente, atuando na prevenção, tratamento e recuperação de doenças. Entende-se por restabelecimento da integridade física o resgate da relação do indivíduo com seu próprio corpo, muitas vezes deixada de lado pelo uso exaustivo e priorizado da cognição. O restabelecimento da integridade psíquica reflete a organização de idéias, o estabelecimento de prioridades pelo próprio indivíduo, abrindo-lhe um canal para catarse, ou seja, uma liberação e direcionamento do fluxo de energia contido e armazenado muitas vezes no próprio corpo. A catarse pode ser realizada, nas sessões de Musicoterapia, através de atividades que envolvam canto, expressão corporal ou produção musical, sendo todos estes elementos muito primitivos na ontogênese e filogênese humana. Para ser submetido, porém, ao processo musicoterapêutico, não é necessário possuir conhecimento musical nem de prática instrumental. Para isso, o musicoterapeuta utiliza-se de instrumentos musicais de fácil manuseio e execução, auxiliando o cliente em sua produção musical e lhe fornecendo a base necessária para a mesma.

Escrito por: Sabrina S. Macedo, 16/05/2008.

quarta-feira, 30 de abril de 2008

A Musicoterapia na Redução do Estresse e Prevenção de Doenças Psicossomáticas


O estresse tem se tornado comum à vida dos moradores de centros urbanos e trabalhadores das mais variadas áreas de atuação. A poluição sonora e visual, assim como a competitividade profissional, em que trabalhadores disputam pela própria sobrevivência, são grandes contribuidores para o seu agravamento na sociedade moderna. Esses fatores estimulam uma descarga de fatores estressantes sobre o Sistema Nervoso que não existia há tempos atrás. Herdamos, junto com a globalização, a “Síndrome de Megainformação”, que bombardeia nosso cérebro diariamente com milhares de informações e estímulos, principalmente sonoros e visuais. Há, desta forma, uma sobrecarga em nossas células cerebrais, o que geralmente causa a liberação de determinados hormônios de forma irregular, causando o estresse.
Os hormônios que sofrem aumento em sua produção em resposta a situações estressantes, como cortisol, os corticóides e as catecolaminas, ao longo do tempo destroem as células cerebrais, causando danos irreparáveis ou de reversão muito difícil. Além disso, o cortisol contribui para a produção de radicais livres, intimamente ligados ao Mal de Alzheimer e o Câncer. A Musicoterapia, porém, é dotada de potencialidades que amenizam os sintomas do estresse, sendo capaz de diminuir ou normalizar as alterações fisiológicas, metabólicas e hormonais causadas pelo mesmo, melhorando a qualidade de vida imediata do indivíduo e agindo na prevenção de doenças psicossomáticas que podem surgir em decorrência do estresse.

Definição de Estresse

Segundo Mello Filho (1992), estresse é toda reação orgânica a fatores psicossociais, físicos, químicos ou biológicos que causam sobrecarga física e/ou mental, exigindo um reajuste e adaptação do indivíduo, provocando-lhe mudanças no funcionamento fisiológico. Portanto, toda situação em que o corpo e a mente sofrem um reajuste de adaptação é uma situação causadora de estresse. Se a reação do organismo ao estímulo agressor for intensa ou se o mesmo for muito potente e agir por tempo prolongado, poderá haver, como conseqüência, o desenvolvimento de uma doença ou uma maior predisposição à mesma.



“A palavra inglesa stress, empregada corretamente em física, serve para designar
a soma de todas as forças - quaisquer que sejam elas – que entram em jogo para
quebrar uma resistência. Essa palavra foi adotada em todas as línguas, dada a
dificuldade de se encontrarem outras com idêntico significado”


(PACHECO E SILVA, 1962).


O estresse causa também reações metabólicas e hormonais. Com a exposição prolongada do organismo ao estresse, há uma liberação excessiva de hormônios, o que, a longo prazo, pode danificar células cerebrais responsáveis por importantes funções cognitivas, como a memória e o raciocínio (KHALSA, 2005). Segundo Mello Filho (1992), há três tipos principais de estresse, designados segundo suas causas; são eles: estresse físico (submissão a situações agressivas como frio, fome, dor), estresse psicológico (alterações hormonais que antecedem a eventos significantes) e estresse social (exposição a ruídos, aglomeração urbana, isolamento, trabalho monótono e repetitivo).
Estresse pode ser definido ainda, como o denominador comum a todas as reações adaptativas do corpo, ou melhor, como sendo um estado manifestado por uma síndrome específica, constituída de todas as alterações inespecíficas produzidas em um sistema biológico. Estresse significa todo fenômeno em que não se consegue com facilidade uma adaptação suficiente, podendo manter o organismo em estado de tensão, inquietude, mal-estar e sofrimento (MOREIRA, 2003).
As causas e sintomas do estresse variam individualmente. Pode-se ressaltar que a história de vida de cada um de nós influencia de modo característico a carga de emoções empregada a um evento específico. Cada indivíduo reage de forma singular a um determinado agente estressor. Deve-se levar em consideração também o tempo de exposição a fatores desencadeantes de estresse e sua respectiva intensidade. Porém, alguns sintomas são comuns a muitos casos de estresse, muitas vezes havendo a presença de vários destes sintomas associados. Os sintomas mais freqüentes em indivíduos que apresentam esse diagnóstico, segundo os autores Delboni (1997) e Simmons (2000), são sentimento de pânico repentino, ansiedade, sentimentos agitados associados à sensação de “borboletas no estômago”, dificuldade em relaxar, inquietude, lapsos de memória, compulsão alimentar, freqüentes dores de cabeça, dificuldade em realizar tarefas, diminuição da libido sexual, dores musculares no ombro, nuca e costas, hipersensibilidade, cansaço constante e persistente, desânimo, queda de cabelo, baixa imunidade, dificuldades digestivas.
Acontecimentos importantes na vida particular de um indivíduo, sejam eles bons ou maus, podem torná-lo vulnerável a doenças. Comoção social, pressões da guerra, tensões do trabalho, perdas e alguns outros estados semelhantes geralmente estão relacionados com o aparecimento de moléstias (LEWIS e col., 1974).
O termo “Doença de Adaptação” foi usado por Selye, citado por Mello Filho (1992), para designar o conjunto de reações que um organismo desenvolve ao ser submetido a uma situação que exige esforço para a adaptação. Na realidade, esse conjunto de reações ocorre constantemente, pois nos adaptamos diariamente às mais diferentes exigências do ambiente externo e interno. Conforme Selye, o organismo, quando exposto a um esforço desencadeado por um estímulo percebido como ameaçador à estabilidade do equilíbrio interno, sendo esse estímulo físico, químico, biológico ou psicossocial, apresenta uma tendência a reagir, utilizando-se de um conjunto de respostas fisiológicas inespecíficas, anatômica e fisiologicamente, respostas estas que constituem uma síndrome. A esse conjunto de respostas inespecíficas, em relação às quais o organismo participa como um todo, ele denominou “Síndrome Geral de Adaptação”, que se constitui em três fases: Reação de Alarme, Fase de Resistência e Fase de Exaustão.

Como o Estresse Afeta as Funções Imunológicas

O hipotálamo (região cerebral localizada sobre o tálamo, no centro do diencéfalo) tem por função regular determinados processos metabólicos e outras atividades autônomas, secretando substâncias conhecidas como neuro-hormônios. Ele é responsável pelas respostas do organismo aos agentes estressores, estimulando a hipófise (glândula conectada ao hipotálamo, localizada no centro do cérebro) a aumentar a produção de A.C.T.H. (hormônio Adrenocorticotrófico), o que promove o aumento na liberação dos hormônios Corticóides e Catecolaminas (BALLONE, 2001). Conforme o mesmo autor, o nível aumentado desses hormônios, além de ser o principal indicador biológico de resposta ao estresse, influencia o sistema imunológico, inibindo a resposta inflamatória e afetando a função das células T, ou seja, linfócitos produzidos no Timo, que não produzem anticorpos, mas atacam invasores externos e trabalham junto a outras células do Sistema Imunológico. As células T auxiliares ajudam os linfócitos na produção de anticorpos, enquanto as células T supressores desativam a ação das células T auxiliares quando a produção de anticorpos produzidos é suficiente. Essas células se comunicam entre si produzindo substâncias químicas que governam a atividade das células do Sistema Imunológico (MOTTA, data não informada).
As respostas ao estresse ocorrem de diferentes formas em cada indivíduo, havendo uma sensibilidade afetiva pessoal e particular em cada um de nós caracterizando a forma como avaliamos e lidamos com tais situações, além de uma predisposição fisiológica de determinados órgãos ou sistemas orgânicos. A resposta imune ao estresse se dá através de ações conjuntas entre os sistemas nervoso, endócrino e imunológico. Quando, porém, há um excesso (de intensidade ou duração) de estresse, aumentam as possibilidades do surgimento de doenças relacionadas a esses sistemas (BALLONE, 2001).




“A resposta ao estresse dá-se através da ação integrada dos sistemas nervoso,
endócrino e imune, num processo de alteração e recuperação da homeostasia.
Quando a reação de adaptação ao estresse não é adequada ou suficiente, aparece a
doença, mediada por alterações no funcionamento daqueles sistemas”


(MELLO FILHO, 1992).



Por estas razões, o organismo fica muito mais susceptível ao desenvolvimento de doenças ou infecções em fases crônicas de estresse. Porém, se o organismo já possui uma doença em desenvolvimento, este pode ser acelerado em ocorrência do estresse.

Doenças Psicossomáticas

A abordagem Psicossomática mostra que, na verdade, o funcionamento do corpo humano não se divide simplesmente em cabeça, tronco e membros, mas num organismo todo interligado em profundas e complexas relações que, embora ainda pouco compreendidas, são permanentes em nossas vidas (FRANÇA e col., 1997).




“Cada emoção a que você é submetido é um acontecimento físico. Quando se
experimenta uma forte reação emocional, mesmo causada por um filme a que se
assista, ocorre secreção de hormônios, e a química corpórea sofre alterações.
Quando as sensações são especialmente fortes, as reações físicas possivelmente
serão proporcionalmente violentas. As emoções são capazes de alterar o
equilíbrio endócrino, assim como o fluxo sanguíneo e a pressão, de inibir o
processo digestivo, de alterar a sua respiração e a temperatura de sua pele. Um
estado prolongado de perturbação emocional pode levar a alterações que provoquem
uma doença. Sua psique é capaz de desencadear uma reação excessiva dos
hormônios, o que pode produzir um processo patológico”


(LEWIS e col,. 1974).



A Medicina Psicossomática busca compreender as doenças como uma coordenação geral de processos integrados do organismo humano, e não como processos locais isolados. Ela ainda investiga e oferece caminhos para a promoção da saúde utilizando-se de características holísticas, voltadas para o paciente como um organismo complexo de diversas funções interligadas entre si, incluindo não só as funções de funcionamento orgânico, mas também as funções mentais, ambas com potenciais de interferência uma sobre a outra (FRANÇA e col., 1997).
As doenças psicossomáticas são doenças de ordem crônica caracterizadas por disfunções psicogênicas, em que há uma lesão da estrutura dos órgãos, causadas ou intensificadas por razões emocionais. Em geral, são tensões emocionais constantes que provocam alterações físicas manifestadas como doenças crônicas. No início, as tensões emocionais afetam o funcionamento fisiológico do organismo, causando dores e desconfortos, mas não lesões. Porém, o contínuo esforço do organismo para se adaptar a essas modificações pode causar, ao longo do tempo, lesões estruturais referentes à mudança do funcionamento fisiológico afetado, ou seja, a aquisição de uma doença (ALEXANDER, 1968).
Mac Lean, citado por Soares (data não informada), considera que os doentes psicossomáticos são incapazes de verbalizar convenientemente sobre as suas emoções, já que as mesmas não estão ligadas a processos intelectuais, e, por este motivo há uma descarga emocional sobre o hipotálamo pelo sistema neurovegetativo, o que provoca as psicossomatizações. Entre as reações psicossomáticas que podem decorrer da alteração da função dos órgãos, temos as seguintes: Reações Psicossomáticas no aparelho digestivo, como vômitos, diarréia, prisão de ventre, alterações da motilidade do estômago e intestinos; Reações Psicossomáticas no aparelho respiratório, como asma e bronquite; Reações Psicossomáticas no aparelho genito-urinário, como dor ao urinar, cólicas renais, aumento da freqüência urinária, vaginismo, ejaculação precoce, cólicas menstruais; Reações Psicossomáticas do aparelho circulatório, como hipertensão arterial, enxaqueca, cefaléia tensional; Reações Psicossomáticas da pele, como neurodermites, eczemas, pruridos. Se a disfunção se manifestar predominantemente nas glândulas secretoras, manifestam-se alterações na produção do muco, na produção dos hormônios do aparelho digestivo, da secreção das glândulas endócrinas, interferindo na secreção pancreática, biliar e entérica (intestinal). Entretanto, quando há uma alteração significativa na função irrigatória dos órgãos, nota-se uma diminuição da resistência da mucosa, o que pode resultar em hemorragias e ulcerações (FRANÇA e col., 1997).

A Musicoterapia na Redução do Estresse

Segundo Costa (1989), “A música desperta prazer e rompe bloqueios de contato, em níveis mais profundos, podendo-se estabelecer canais de expressão, facilitando o emergir de situações emocionais conflitantes, que em outras formas de terapia levaria muito mais tempo para surgir”.
A Musicoterapia é dotada de potenciais que podem auxiliar na regulação dos processos fisiológicos, metabólicos e hormonais, além de oferecer ao cliente um suporte social que o permita a enfrentar e aceitar situações de confronto em seu dia a dia (situações estressoras), já que trabalha o ser humano em sua forma integral, visando alcançar uma melhor qualidade de vida para o indivíduo, além de auxiliá-lo no desenvolvimento de processos fundamentais à sua adaptação e bem-estar.
A Musicoterapia não é simplesmente a utilização da música, mas a utilização de experiências musicais, o que significa que o agente da terapia não é visto apenas como sendo a música, e sim a experiência do cliente com a música (BRUSCIA, 2000). É também centrada na criatividade do ser humano, e a participação efetiva do mesmo envolve um processo criativo. O processo de criatividade permite-o ouvir ou criar uma música, explorar diferentes formas de arranjar, perceber e interpretar os sons. O processo criativo permite adquirir habilidades em encontrar soluções musicais, e estas habilidades se estendem para as situações da vida do cliente (BRUSCIA, 2000).
O processo musicoterapêutico abre possibilidades para a catarse, fluidificando energias estagnadas e abrindo um canal de liberação para as tensões musculares, através de instrumentos musicais, da voz ou do próprio corpo, dando enfoque à expressão emocional do cliente. Segundo Fregtman (1989), o som resultante do ato expressivo funciona como um espelho interior. O homem é uma totalidade, portanto, sua forma de comunicação com o mundo se dá através de vários canais distintos e simultâneos. Esses canais tem por função emitir e receber sinais e mensagens, de forma consciente ou inconsciente. Estabelece-se então um sistema integrado que deveria ser analisado em conjunto, atentando para as formas com que esses elementos se relacionam.
Os instrumentos musicais, que como já vimos atuam como prolongamento do próprio corpo do cliente, podem transformar a improvisação musical do mesmo em um diálogo simbólico, expressando suas tensões emocionais espontaneamente. Protótipos inconscientes podem surgir durante as sessões, quando a consciência está influenciada pelas pulsões instintivas e pelo afeto desencadeados, e não pelo julgamento racional e pela vontade consciente, como ocorre no caso da improvisação musical espontânea (FREGTMAN, 1989).
É comprovado que a produção de um som sempre é acompanhada de uma descarga afetiva, ainda que imperceptível à primeira audição. Por isso, pode-se afirmar que o processo em Musicoterapia é um facilitador de catarse, ou seja, liberação de sentimentos inibidos ou reprimidos, pois, através da expressão sonora (que engloba batidas, gritos, cantos, ruídos), é possível liberar essas emoções retidas. Ao emitir um som, nós, corpos vibrantes, emitimos também energia, que é posta em movimento. Cabe lembrar, porém, que as expressões sonoro-energéticas podem provocar descargas e regressões profundas, e devem ser utilizadas de forma prudente e moderada (FREGTMAN, 1989).
O uso da voz é uma experiência que envolve carga energética, pois o som emitido pelo cliente, ao experimentar diversas formas sonoras, proporciona uma intensa exploração terapêutica da conexão “inspiração-expiração”. Essas experiências podem ocasionar o surgimento de lembranças que facilitarão a expressão emocional (CHAGAS, 1997).
Segundo Chagas (1997), “cantar ajuda a juntar ação, emoção e pensamento, facilitando o contato direto com as sensações físicas, com os sentimentos e com a mais profunda sensação de ser o que se é”. Ainda conforme a autora, a chance de ouvir o que se canta e a aceitação do próprio material expressivo é a chance de experimentar-se profundamente. O ato de cantar possui muitas possibilidades terapêuticas quando se trata de indivíduos com queixa de estresse, já que o mesmo ajuda a regular a respiração, auxilia na mudança de estado de humor e equilibra, por conseqüência, os processos metabólicos prejudicados pelo estresse. Ao regular a respiração através do canto, estamos estimulando a liberação de endorfina na corrente sanguínea, além de obter a diminuição dos níveis de adrenalina (substância produzida em excesso quando há a ação de agentes estressores), fazer com que os órgãos voltem ao seu ritmo normal e os músculos diminuam a tensão causada pelo estresse, aumentando assim a sensação de bem estar (SIMMONS, 2000).




Bibliografia



ALEXANDER, F. G., História da Psiquiatria. 1ª edição. São Paulo: Editora Ibrasa, 1968.

ANDRADE, M., Pequena História da Música. 9ª edição. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia,
1987.

BARCELOS, L. R. M., Cadernos de Musicoterapia. 4ª edição. Rio de Janeiro: Ed. Enelivros, 1992.

BARCELLOS, L. R. M., Musicoterapia: Transferência, Contratransferência e Resistência. 1a edição. Rio de Janeiro: Ed. Enelivros,1999.

BENENZON, R.O., Manual de Musicoterapia. 1ª edição. Rio de Janeiro: Ed.Enelivros, 1985.

BOONE, D. R., A Voz e a Terapia Vocal. 6ª edição. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 2003.

BRENNER, C., Noções Básicas de Psicanálise. 1ª edição.São Paulo: Imago, 1975.

BRUSCIA, K. E., Case Studies in Music Therapy. 1a edição. Phoenixville: Barcelona Publishers, 1991.

BRUSCIA, K. E., Modelos de Improvisación em Musicoterapia. 1ª edição. Coleción Música arte y Processo. Espanha: Agruparte Vitoria Gasteiz, 1999.

BRUSCIA, K.E., Definindo Musicoterapia. 2ª edição. Rio de Janeiro: Ed. Enelivros, 2000.

CHAGAS, M.,Ritmo, som e vida. Edição no 84. Petrópolis: Revista de cultura “Vozes”, 1984.

CHAGAS, M., Cantar é mover o Som. III Fórum Paraense de Musicoterapia: Encontro Paraense de Musicoterapia e II Encontro Nacional de Pesquisa em Musicoterapia. Paraná: Ed. AMT/PR, 2001.

COSTA, C. M., O Despertar Para o Outro. 1ª edição. São Paulo: Summus Editorial, 1989.

DELBONI, T. H., Vencendo o Stress.1ª edição. São Paulo: Makron Books, 1997.

EAGLE, C., Music Psycology Index. Fort Worth. TX: Institute for Therapeutics Research,1978.

FERREIRA, A. B. H., Minidicionário da Língua Portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1989.

FRANÇA, A. C. L., RODRIGUES, A. L., Stress e Trabalho: Guia Básico com Abordagem Psicossomática. 1ª edição. São Paulo: Ed. Atlas, 1997.

FREGTMAN, C. D., Corpo, Música e Terapia. 1ª edição. São Paulo:Ed. Cultrix,1989. pg. 72.
GAINZA, V. H., La Improvisación Musical. 1ª edição. Buenos Aires; Ed. Ricordi, Data não Informada.

HANNETT, F., The Haunting Lyric: The Personal and Social Significance of American Popular Songs. The Psychoanalytic Guarterly,1964.

KAPLAN, H.I., Compêndio de Psiquiatria: Ciências do Comportamento e Psiquiatria Clínica. 7ª edição. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 1997.

KAMIENIECKI, H., Histoire de la Psychosomatique. Paris: P.U.F., 1994.
KHALSA, D. S. M. D., Longevidade do Cérebro. 1ª edição. Rio de Janeiro. Ed. Objetiva, 2005.

KRETSCHMER, E., Psychologie Medicale.1a edição. Paris: Ed. Payot, 1927.

LEVY, L., Society, Stress and Disease. Volume I. Londres: Oxford University Press, 1971.

LEWIS, M., E., HOWARD, R., FenômenosPsicossomáticos: Até que Ponto as Emoções Podem Afetar sua Saúde. 1ª edição. Rio de Janeiro: Livraria José Olímpio Editora; 1974.
MARTY, 1993.

LÓPEZ, A. L. L., CARVALHO, P., Musicoterapia com Hemiplégicos. 1ª edição. Rio de Janeiro: Editora Enelivros, 1999.

MARTY, P., A Psicossomática do Adulto. 1ª edição. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

MELLO FILHO, J., Psicossomática Hoje. 1ª edição. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas Sul, 1992.

MILLECO FILHO, L. A., BRANDÃO, M. R. E., MILLECO, R. P.,É Preciso Cantar: Musicoterapia, Cantos e Canções. 1ª edição. Rio de Janeiro: Editora Enelivros, 2001.

MOREIRA, M. S., Psiconeuroimunologia. 1ª edição. Editora Médica e Científica Ltda, 2003.

PACHECO E SILVA, A.C., Medicina Psicossomática. 1ª edição. São Paulo: Ministério da Educação e Cultura,1962.

QUILICI, M. Psiconeuroimunilogia. 1ª edição. São Paulo: Editora Ipê/ IPSSP, 2000

REICH, W. The Function of the Orgasm: Sex-economic problems of biological energy. 1a edição. Panther Edition, 1940.

RUUD, E., Música e Saúde. São Paulo: Summus Editorial, 1986.

RUUD, E., Music Therapy: Improvisation, Communication and Culture.1a edição. Gilsum NH: Barcelona Publishers, 1998.

SAMPAIO, R. T., Por uma nova Abordagem Musicoterapêutica. Ano IV; número 5. Rio de Janeiro: in UBAM; Revista Brasileira de Musicoterapia, 2001.
SEYLE, H., Stress, a tensão da vida. São Paulo: Ed. Ibrasa, 1965.

SIMMONS, R., Estresse: Esclarecendo suas dúvidas. 1ª edição. São Paulo; Ed. Guias Agora, 2000.

SOARES, L. S. C., Doenças Psicossomáticas,Uma Linguagem Corporal. Artigo. Data não informada.

VOLICH, R. B., Psicossomática: de Hipócrates à Psicanálise. 2ª edição. São Paulo: editora casa do Psicólogo, 2000.

WOLFF, H. G., Life Stress and Bodily Changes: A Formulation, Life Stress and Bodily Disease. Baltimore: Ed. Wissiams and Wilkins, 1950.



Este artigo é baseado no trabalho de conclusão de curso "A Musicoterapia na Redução do Estresse e Prevenção de Doeñças Psicossomáticas", escrito por Sabrina de Souza Macedo, 2007. Para obter o trabalho completo, entre em contato pelo email sabrina_ilm@yahoo.com.br